Pesquisa revela que desejo de ter um cachorro pode ser informação contida no DNA de alguém

Você tem muita, mas muuuuita vontade de ter um cachorrinho para chamar de seu?
Pesquisa revela que desejo de ter um cachorro pode ser informação contida no DNA de alguém

04

JUN


Fique sabendo que essa informação pode estar no seu DNA.

Pelo menos é o que diz uma nova pesquisa, realizada por pesquisadores britânicos e suecos.

O estudo – feito a partir de um cruzamento do banco de dados dos donos de pets e os registros de irmãos gêmeos, na Suécia – indicou que os genes dos indivíduos, ao que parece, respondem por mais da metade da diferença entre quem tem cachorros e quem não tem.

"Ficamos surpresos ao ver que a composição genética de uma pessoa parece ter uma influência significativa no fato de possuir um cachorro. Como tais, essas descobertas têm implicações importantes em vários campos diferentes relacionados à compreensão da interação cão-homem ao longo da história e nos tempos modernos”, disse Tove Fall, principal autora do estudo, em declaração.

O grupo não identificou – exatamente – qual parte dos genes é responsável pelo desejo de adotar um cachorro, mas acredita que os achados na pesquisa podem explicar, considerando a genética, os benefícios emocionais conferidos aos que adquirem um cão.

Você pode estar aí se perguntando por que o estudo foi feito com gêmeos. Já ouviu falar bastante desse método, não?

Pois é, a gente te explica.

Os gêmeos costumam ser objeto dos mais variados estudos porque, visto que os idênticos compartilham o genoma inteiro, tornam-se “objeto de pesquisa” perfeito para que seja possível conhecer as influências do ambiente e dos genes na biologia e no comportamento humano.


[Fonte: Revista Galileu]