Será que é, mesmo, preciso dormir 8 horas por noite para que o corpo descanse? Especialista em sono de atletas diz que não!

Ih, lá vem aquela conversa de “o que você faz da meia-noite às seis?”!
Será que é, mesmo, preciso dormir 8 horas por noite para que o corpo descanse? Especialista em sono de atletas diz que não!

21

MAR


Confesse, quando você responde que neste período está dormindo, muita gente te olha com aquela cara de “ok, ser inferior, tempo é dinheiro e dormir é perda de tempo”.

Pois é...

Mas falando em sono, todos nós sabemos (e inúmeros são os profissionais da área da Saúde que corroboram com a ideia) que ele é fundamental para – entre outras funções do organismo – fortalecer o sistema imunológico, liberar a secreção de hormônios e consolidar a memória, maass, você sabia que já há especialistas defendendo a ideia de que não precisamos dormir muitas horas seguidas todas as noites?

Xiii...

Como assim?

A gente te conta!

Nick Littlehales, especialista em sono de atletas, se dedicou a encontrar essa resposta.

Para tal ele realizou uma pesquisa que contou com alguns dos maiores times de futebol do mundo, como o Manchester United e a seleção inglesa treinada pelo sueco Sven-Göran Eriksson. 

O cientista realizou testes com tais atletas de elite e chegou a algumas conclusões que, certamente, vão gerar polêmica.

A primeiríssima delas: quando o assunto é descanso, devemos pensar em ciclos, não em horas. Segundo Littlehales, a necessidade de dormir oito horas por noite não passa de mito. 

O sono humano segue um ciclo natural de 90 minutos. Ao longo desse tempo passamos de um sono profundo ou sincronizado (sem movimentos oculares rápidos) a uma fase de sono REM (Rapid eye movement, em inglês), de movimentos oculares rápidos. De acordo com o estudioso, o importante mesmo é não interromper uma dessas fases. Por isso, ele recomenda que as pessoas durmam, por dia, baseadas em múltiplos de 90 minutos: podem ser 7,5 horas, 6 horas, ou até 4,5 horas.

Agora vem a parte que você vai pensar alto, algo como “ahhh, tá...assim fica fácil, né?”. É que, após suas observações, outra das recomendações de Littehales é investir em um sono polifásico.

Oi?

Vamos reproduzir o conceito dele para você entender (ou rir)...

Até o surgimento da luz elétrica, muita gente tinha o tal sono polifásico (como ocorre com os bebês). Isso significa que muitos humanos dormiam mais vezes ao longo de 24 horas, mas por períodos de tempo mais curtos. Seria o ciclo circadiano, ou ciclo biológico de 24 horas. Ainda de acordo com o estudioso, há momentos do dia em que o corpo humano é biologicamente "desenhado" para descansar.

A partir disso ele aponta os horários que seria interessante que todos nós pudéssemos tirar uma soneca: meio-dia e no período entre 17h e 19h.

Rá! Diz aí se você não pensou alto “assim fica fácil!”?

Apostamos que sim!

Bom, pelo menos agora você já tem fundamentação científica – ainda que polêmica – para justificar aquele sono in-con-tro-lá-vel que toma conta de você após o almoço, hein?


[Fonte: UOL Notícias // Ciência e Saúde]