Saúde mental na velhice: estudiosos afirmam que aprender um segundo idioma é ferramenta importante para preservar as habilidades cognitivas

Você gosta de idiomas, tem facilidade para aprender linguagens diferentes daquela que aprendeu em casa, se interessa pelo aprofundamento em outras culturas?
Saúde mental na velhice: estudiosos afirmam que aprender um segundo idioma é ferramenta importante para preservar as habilidades cognitivas

22

MAI


Muito bem!

Mas, olha, fique sabendo que esse seu gosto – de agora – ainda vai te ajudar muuuito lááá no futuro, viu? E não apenas por questões profissionais.

É que uma pesquisa revelou que aprender uma segunda língua, além de fazer com que o cérebro fique mais afiado, ainda previne problemas na velhice, como – por exemplo – a demência.

Vem cá que a gente vai te explicar essa história direito...

Estudiosos da Universidade de Edimburgo realizaram uma pesquisa com 835 pessoas nascidas em 1936. O teste foi dividido em duas etapas (separadas por um largo espaço de tempo). Na primeira, em 1947, os voluntários tinham 11 anos. Na segunda, ocorrida entre 2008 e 2010, os participantes já eram septuagenários.

E o que os cientistas observaram?

Que aqueles que tinham habilidade de comunicação em mais de uma língua tinham melhores capacidades cognitivas do que os outros.

A despeito da descoberta, Tomas Bak, líder da pesquisa, afirmou: “Nosso estudo é o primeiro a examinar se a aprendizagem de uma segunda língua melhora o desempenho cognitivo mais tarde na vida enquanto controla a inteligência infantil. Ele oferece uma oportunidade única para estudar a interação entre o bilinguismo e o envelhecimento cognitivo, levando em consideração as capacidades anteriores à aquisição de uma segunda língua”.

A comunidade científica se agitou com as respostas da pesquisa.

Especialistas afirmam que o estudo do Dr. Bak pode ser o pontapé inicial para novas investigações que ajudarão os médicos a encontrar novas maneiras de entender o declínio mental em idosos.

A grande pergunta é: se aprender um segundo idioma pode ajudar, o que mais também poderia?

Enfim, tal descoberta joga por terra aquela frase, tão batida, que os que já não são mais tão jovens gostam de dizer quando desafiados para algum novo aprendizado: “não tenho mais cabeça para isso, não...”.

Ah, tem, viu!

Nunca é tarde para começar algo novo. Sempre é tempo de desenvolver novas habilidades.


Então, independente da idade...

Laten we studeren! 

Lass uns lernen!

Studiamo!

¡Vamos a estudiar!

Let's study!

Vamos estudar!


[Fonte: www.megacurioso.com.br]